terça-feira, 18 de março de 2008

Por que é que não existem estrelas verdes?

Será que não existem mesmo estrelas verdes? E violetas? Mas existem estrelas vermelhas, ou alaranjadas, e brancas e azuis.

A radiação emitida por uma estrela depende da temperatura da sua superfície que por sua vez está relacionada com a sua massa. Trata-se da radiação dita de corpo negro, uma radiação térmica (ver applets: Davidson College ou Universidade do Colorado).

Cada estrela emite radiação de diversos comprimentos de onda, mas os nossos olhos não estão adaptados para discriminar comprimentos de onda, não conseguindo detectar o comprimento de onda para o qual a radiância espectral da estrela é máxima. Os fotoreceptores na retina são sensíveis não apenas a um comprimento de onda, mas a um conjunto de comprimentos de onda. Embora existam três tipos de cones, daí existirem três cores primárias, existem comprimentos de onda para os quais diferentes tipos de cones são simultaneamente sensíveis. Se assim não fosse pode ter a certeza que haveria estrelas verdes, sendo o Sol uma delas.

Curvas de absorção espectral de diferentes tipos de pigmentos nos fotoreceptores da retina: azul, verde e vermelho

Fonte: Visual pigments of rods and cones in a human retina, Licença GNU de Documentação Livre


Legendas adicionadas a vídeo do canal SpitzerJim do YouTube, recorrendo ao serviço overstream:



No canal do YouTube referido pode visualizar outros vídeos educativos no domínio da astronomia (os mesmos vídeos podem ser encontrados no sítio da Equipa Cool Cosmos - um grupo que faz parte do programa educativo do Spitzer -).

Mensagens relacionadas deste blogue:

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails