domingo, 24 de fevereiro de 2008

Dilatação temporal e invariância da velocidade da luz

Reconstrução da legendagem de um vídeo divulgado numa entrada anterior deste blogue (22 de Junho de 2007).

Em 1905, Albert Einstein apresentou a sua teoria da relatividade restrita num artigo intitulado "Sobre a Electrodinâmica dos Corpos em Movimento" (Annalen der Physik, 17).

Fotografia de Lucien Chavan (1904), NASA, Domínio Público

Nesta animação explica-se, de modo muito simples, como é que a relatividade do tempo decorre da invariância da velocidade da luz. Consideram-se duas naves espaciais que viajam à mesma velocidade, da ordem de grandeza da da luz, em trajectórias paralelas.
Um feixe de luz laser é disparado a partir de uma das naves, numa direcção perpendicular ao movimento das naves, e é reflectido na outra nave. A distância percorrida pelo feixe de luz depende do referencial em relação ao qual este é "observado" (nave ou asteróide).

Domínio Público

Como a velocidade da luz é constante em todos os referenciais segue-se que os intervalos de tempo entre dois acontecimentos são relativos: dependem do referencial.

Legendas adicionadas a vídeo disponibilizado pelo YouTuber MyEarbot, recorrendo ao serviço overstream:



O vídeo anterior é um clone de outro disponibilizado pelo sítio SciVee, criado para e por cientistas, que pretende explorar as vantagens da Internet como um poderoso meio de comunicação para uma melhor compreensão da ciência: disseminação livre da espantosa herança cultural da ciência.

Mensagens relacionadas deste blogue:

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails