sábado, 5 de janeiro de 2008

Um romance elementar: o Ponto e a Linha

Reconstrução da legendagem de um vídeo divulgado numa entrada anterior deste blogue (8 de Novembro de 2007).

"O Ponto e a Linha" é um filme de animação dirigido por Chuck Jones (1965) e baseado no livro homónimo de Norton Juster (1963). O título deste livro é uma referência óbvia ao livro Flatland: Um Romance de Muitas Dimensões de Edwin Abbott Abbott (ver vídeo, legendado em português, Dr. Quantum na Planolândia).

Chuck Jones (1976)

Foto por Alan Light, Licença Creative Commons Atribuição 2.0 Genérica

O que pode fazer uma linha recta quando se apaixona por um ponto volúvel? Como reagir perante a adversidade de um amor não correspondido? Poderá a linha recta mudar de direcção? Quais são as potencialidades de uma linha com muita perserverança? Como é que uma linha se pode exprimir?

Nas anotações colocadas sobre este vídeo inverteram-se os papéis do masculino e do feminino: sinais dos tempos, mas também consequência da língua portuguesa que designa a linha por a e o ponto por o. Quem confiar apenas nas metáforas gráficas mais óbvias ficará estarrecido!

Legendas adicionadas a vídeo disponibilizado pelo utilizador heybigkit do YouTube:




Mensagens relacionadas deste blogue:

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails