domingo, 20 de janeiro de 2008

O CERN (o local onde nasceu a WEB) em três minutos

O CERN (Centre Europeénne pour La Recherche Nucléaire) é o maior laboratório de física de partículas de todo o mundo. Este centro de investigação, localizado na fronteira franco-suiça perto de Genebra, está virado para o estudo das peças mais básicas de que é feita a matéria, não da exploração da energia nuclear. Criado em 1954, foi aqui que, no final dos anos 80, Tim Berners-Lee propôs um sistema de distribuição da informação baseado no hipertexto, que agora toda a gente conhece como World Wide Web (WWW).

A 100 m de profundidade encontra-se o maior instrumento científico de todos os tempos: um acelerador de partículas de 27 km de perímetro, o LHC, sigla de Large Hadron Collider (grande colisionador hadrónico) que se prevê que entre em funcionamento durante este ano. Neste túnel, em tubos em que foi feito um “vácuo” extraordinariamente “perfeito”, vão circular protões acelerados até uma velocidade de 99,9998% da velocidade da luz em dois feixes que se movem em sentidos opostos. Estas partículas são “programadas” para chocar em zonas onde se estão a construir enormes catedrais constituídas por milhões de peças montadas com uma precisão microscópica de modo a construir puzzles de várias dezenas de milhares de toneladas. A estas enormes catedrais subterrâneas dão os físicos o nome de detectores. Existem um total de quatro grandes catedrais (ALICE, ATLAS, CMS e LHCb) que começaram a ser concebidas e montadas há mais de 15 anos e cujas peças são provenientes dos mais diversos cantos do mundo.

Um dos megablocos circulares do ATLAS (A Toroidal LHC ApparatuS)

As tecnologias desenvolvidas no CERN foram transferidas para outras áreas de aplicação: novas formas de terapia do cancro (PIMMS), novos métodos de diagnóstico (PET), novas técnicas para investigar a estrutura das coisas, desde vírus a estrelas (radiação de sincrotão), construção de novos materiais com aplicações desde a detecção de explosivos até à protecção de metais contra a corrosão, etc.

Legendas adicionadas a vídeo disponível no canal CERNTV do YouTube:



Este vídeo está também disponível com narração em outras línguas: italiano, alemão e francês. No YouTube pode também encontrar-se canal do ATLAS: TheATLASExperiment.

No sítio WEB do CERN estão disponíveis diversos recursos para a educação.

Mensagens relacionadas deste blogue:

Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails